sábado, 9 de setembro de 2017

PUBLICADO EM VEJA.COM
(Meu texto na coluna de Augusto Nunes em 10 de setembro de 2017)


Turma da pesada: Edison Lobão, Renan Calheiros, 
Delcídio do Amaral, José Sarney e Romero Jucá 
com Lula nos velhos e maus tempos

PIOR DO QUE ESTAVA NÃO FICARÁ

Enquanto Lula, sempre embriagado de delírios, considera-se o maior governante do Brasil em todos os tempos, o PMDB pode se orgulhar – nesse caso, apoiado em fatos concretos – de ter estado no poder desde sempre. Houvesse um governo e um congresso quando as caravelas da frota de Cabral foram avistadas pelos índios, os integrantes do partido estariam à beira da praia ávidos por negociar bugigangas, pixulecos e cargos com o comandante da esquadra portuguesa.

Enquanto Lula, sempre embriagado de delírios, considera-se o maior governante do Brasil em todos os tempos, o PMDB pode se orgulhar – nesse caso, apoiado em fatos concretos – de ter estado no poder desde sempre. Houvesse um governo e um congresso quando as caravelas da frota de Cabral foram avistadas pelos índios, os integrantes do partido estariam à beira da praia ávidos por negociar bugigangas, pixulecos e cargos com o comandante da esquadra portuguesa.

Disposto a apoiar qualquer presidente, de qualquer partido ou tendência, sempre pronto a mudar de lado para manter regalias, cargos e não abandonar a teta, da qual não abre mão de sugar até a última gota, o PMDB é um ícone do fisiologismo na política brasileira. E Sarney, vulgo Madre Superiora, de alguma forma no poder desde os anos 1950, é um ícone do PMDB. Nomes como Barbalho, Calheiros e Lobão igualmente dispensam apresentações. De certo modo, Raupp e Machado podem ser considerados principiantes se comparados a tais mestres da política malandra.

Por instinto de sobrevivência, o procurador que se acha deixou de ser tão seletivo em suas denúncias e passou a atirar para todo lado, inclusive o de Lula e o resto da companheirada. Também deixou de considerar Joesley Safadão um parceiraço. O fundamental é que a faxina na política brasileira, seja por iniciativa da PGR, do MP, da PF, de Moro ou das urnas, tornou-se irreversível. Como diria Tiririca, pior do que estava não ficará.


(Foto de Marcos Oliveira/Agência Senado)

2 comentários:

Clovis Heberle disse...

Muito bom. Estava esperando que alguém escrevesse isto. Valeu!

Eliziário disse...

Obrigado, caríssimo. Grande abraço!