sexta-feira, 30 de maio de 2008


A volta de Pantanal

Pantanal, a obra que revolucionou o universo das telenovelas no Brasil, pode ser reexibida em breve pelo SBT. Sílvio Santos teria comprado os direitos e as fitas de um empresário que as arrematou em leilão cinco anos atrás. A Globo pretende impedir, alegando ter adquirido os direitos diretamente do autor, Benedito Ruy Barbosa. Oficialmente, Pantanal foi considera pela Justiça parte da massa falida da TV Manchete.


Os fãs torcem pelo SBT, uma vez que a Globo dificilmente reprisaria a novela. A emissora costuma se comportar como ex-namorado que não quer mais a mulher, mas também não quer que ninguém a tenha (vale o mesmo para a ex). Pantanal virou cult. Cópias são vendidas pela internet, mas sem a qualidade das originais, por mais que o tempo desgaste um VHS.

Escrita por Barbosa e dirigida por Jayme Monjardim, Pantanal foi ao ar em 1990 com Cristiana Oliveira e Marcos Winter, de química perfeita, nos papéis principais. O ótimo elenco incluía nomes como Cláudio Marzo, Jussara Freire, Marcos Palmeira, Nathália Timberg, Paulo Gorgulho, Ítala Nandi, Sérgio Reis, Marcos Caruso, Ângela Leal, Luciane Adami, Rosamaria Murtinho, Tarcísio Filho e José de Abreu, entre outros.

Gravada no deslumbrante cenário do Pantanal, a novela teve na fotografia outro ponto alto, com tomadas cinematográficas muito bem dirigidas por Monjardim. A reconstituição da rotina do lugar, onde a vida passa lenta, no ritmo do ciclo das águas, encantou o público brasileiro. Enquanto as novelas da Globo têm cenas curtas e cortes rápidos, Pantanal se desenrolava devagar, quase como um filme de Bergman, e as cenas podiam se estender bastante, próximo do tempo real, um relaxamento para o espectador depois de mais um dia de correria nas grandes cidades.

A trilha sonora, com Almir Sater, Robertinho do Recife, o grupo Sagrado Coração da Terra, entre outros, transmitia simplicidade, sentimentos sinceros e uma boa dose de candura.

Com tudo isso, a Manchete conseguiu bater a Globo em audiência. Infelizmente, nove anos depois a Manchete faliu e virou RedeTV! Pantanal chegou a ser reprisada no final dos anos 90. Como o tempo não diminuiu sua beleza e profundidade, merece nova exibição. Quando foi lançada, emocionou variados públicos, de homens sessentões a meninas de 13 anos de idade, hoje recém passadas dos 30.

Fiquemos na torcida. Vai nessa, SBT.

2 comentários:

Blodeuwedd disse...

Eu me lembro muito pouco dessa novela... Era nessa que tinha a Juma? Eu assistiria de novo! :-)

Carolina Pinheiro disse...

Pois eu me lembro com perfeição. Sou uma recém passada dos 30 que foi arrebatada pela beleza e profundidade da produção. Nota 10 com louvor para a extinta Rede Manchete, que com ousadia, competência e desprendimento marcou uma época ao topar a empreitada. Ousadia que infelizmente a Rede Globo não tem. Se, de fato, a emissora comprou os direitos autorais de Pantanal para deixá-la apodrecer nas estantes de sua bilionária estrutura, que lástima.
Quem sairá perdendo são os milhões de telespectadores das novas gerações, expostos ao comodismo e a letargia global, cujas produções foram engolfadas por uma fórmula enlatada que há muitos anos, com raríssimas exceções, não envolve e cativa o povo brasileiro.
Pantanal foi o que a teledramaturgia nacional produziu de melhor e merece ser reprisada.
Caso o SBT conquiste esta vitória, eu aposto que a novela baterá, outra vez, recordes de audiência. Torço para que o Silvio vença a peleja. As meninas e os sessentões do novo milênio agradecerão o presente.

Beijoca macacal e parabéns pela lembrança.